Comportamento

 Os gerbils são roedores muito sociáveis e interativos.

 São animais acostumados a viver em pares ou colônias e que dão muita importância para os odores como forma de reconhecer seu território e seus companheiros e familiares.

 Utilizam a expressão corporal para se comunicarem e até alguns sons.

 É muito interessante observar seu comportamento e entender o que cada ação significa

Ficar em pé apenas nas patas traseiras

 

 

 É um comportamento de alerta.  Muito freqüente ao perceberem qualquer movimentação diferente, odor ou barulho próximo ao alojamento.

 Como são presas na natureza, mesmo domesticados mantém esse comportamento instintivo para se protegerem de predadores.

 

 Em colônias de gerbils há sempre algum membro responsável por vigiar se não há nenhuma ameaça e dar o alerta em caso de perigo.

Bater as patas traseiras no chão

 

 

Esse comportamento também conhecido como “sapatear” demonstra excitação.

 

 Pode ocorrer para avisar os outros gerbils sobre um perigo próximo alertando para que se escondam.

 

 Quando um gerbil bate as patas para outro do mesmo sexo é um sinal de enfrentamento e caso o outro reaja poderá acontecer uma briga.

 

 Já quando um macho bate as patas traseiras para a fêmea é uma forma de demonstrar interesse em acasalar.

 

 Mas quando é a fêmea que bate as patas para o macho durante uma apresentação é sinal de que a apresentação não está dando certo e se não forem separados irão brigar.

 

 

 

 

 

 

 

Correr batendo as patas no chão

 É uma forma de correr avisando sobre o perigo para que os outros também corram.

 

 E também de perseguir e intimidar um invasor.

 

 Nesses casos é comum que também façam barulho para aumentar o efeito do comportamento.

 

Pulinhos

 

Ficar pulando no mesmo lugar é uma forma de demonstrar alegria e de convidar outros gerbils para brincar.

 

 Eles também podem pular de felicidade quando o pó de banho ou algum alimento que gostam é colocado no alojamento. E até quando interagem com o tutor.

 

 E é comum ver esse comportamento e filhotes e jovens chamando os outros para brincar.

Abanar o rabo

 

 Esse comportamento interessante é semelhante ao dos cachorros, mas com movimentos mais lentos. E também demonstra felicidade.

 

Ficar imóvel com o rabo para cima

 

 É um comportamento de alerta e observação. Quando um dos membros do grupo bate as patas no chão para alertar perigo, os outros podem ficar completamente imóveis e com o rabo para cima até confirmarem se é mesmo uma ameaça e precisam correr para se esconder ou se foi um alarme falso.  Ao ficarem imóveis evitam atrair a atenção de um predador.

 

Montar 

 

 Esse comportamento não é só característico de acasalamento.

 

 Um gerbil montar em outro é uma forma de mostrar dominância e superioridade.

 

 Pode acontecer entre gerbils do mesmo sexo, de sexos diferentes e até mais velhos montando em mais novos para reforçar quem é superior na hierarquia. Esse comportamento costuma ocorrer só até o dominante se auto afirmar e ter sua liderança aceita por todos. Depois que a hierarquia está definida o comportamento não ocorre mais no grupo a não ser que haja troca de posição  hierárquica pela ausência do líder o a introdução de novo membro no grupo.

Marcar território

 

 Os gerbils possuem uma glândula de odor no abdome que libera uma secreção oleosa com odor característico e pessoal de cada um. Ela é visível como uma mancha amarelada no local.

 Como os gerbils dão muita importância aos odores, é esfregando essa glândula  em tudo que  consideram propriedade sua que marcam com seu. Inclusive os membros de sua família e/ou grupo e seu território.

 

 

 

 

 

 

 

Dormir 

 Os gerbils costumam dormir em duplas ou grupos.

 

 Assim, enquanto os outros dormem, pelo menos um vigia para garantir a segurança dos companheiros. Por isso é possível perceber que sempre tem alguém acordado ou parecendo dormir, mas mantendo pelo menos um olho um pouco aberto o meio do grupo.

 E depois de algum tempo ocorre o revesamento. O que ficou vigiando vai dormir e é substituido por outro que já descansou um pouco.

 Esse é um comportamento característico de animais que são presas na natureza. Dessa forma um integrante do grupo sempre fica atendo a predadores para que os possam dormir em segurança.

 E mesmo os gerbils domésticos ainda mantém esse comportamento instintivo.

Lamber Objetos e Paredes do Alojamento

 

 Esse comportamento estranho passa a ser observado quando o gerbil apresenta muita sede ou deficiência nutricional. 

 

 Se perceber esse comportamento primeiro verifique se a água está disponível e limpa no bebedouro e se o bebedouro está funcionando direito. Alguns bebedouros passam a ter problemas para liberarem a água depois de algum tempo de uso. Se isso acontecer o melhor é trocar o bebedouro. 

 Mas se o problema não for a sede, o melhor é levar o animalzinho ao veterinário para verificar se há deficiência nutricional e como corrigi-la.

 Nunca dê vitaminas sem a orientação de um veterinário. Tanto o excesso quanto a falta de vitaminas são prejudiciais. E em alguns casos a deficiência pode ser de minerais e não de vitaminas  

Acostumando o Gerbil a Você

 

 

 

 

  Esses bichinhos são mesmo desconfiados no começo e é preciso de um pouco de tempo e paciência para amansa-los.

 

 É importante lembrar que eles são muito sensíveis a cheiros,  por isso evite perfumes fortes ao manipula-los ou até odores de produtos de limpeza por perto. Isso pode confundir o olfato deles e torna-los inseguros.

 

 Comece oferecendo petiscos através das grades, como sementes de girassol ou de abobora, que eles adoram.  Logo eles virão buscar as sementes ao verem você encostar a mão nas grades. Quando isso acontecer é o momento de passar para o próximo passo. Coloque as sementes entre as pontas dos dedos e coloque os dedos dentro da gaiola para que o bichinho pegue. Só depois que ele se acostumar com os dedos, coloque as sementes na palma da mão pra que ele venha pegá-las.

 

 Depois que ele já estiver confiando na sua mão pode começar a toca-lo e acaricia-lo de leve. E aos poucos ele vai aceitar ser manipulado.

 

 O segredo para amansa-lo é manipula-lo sempre, assim ele confiará cada vez mais em você.

 

 

 

Posso ter apenas um Gerbil?

 

 

 

 

 

 Infelizmente não.  Os gerbils são roedores muito sociáveis. Gostam e precisam viver em duplas ou grupos.

 

 Podem ser observados brincando de luta, disputando o alimento, protegendo o companheiro e dormindo juntos.

 

 Por mais que você de carinho e atenção para o seu gerbil, ele nunca será feliz se não tiver uma companhia da mesma espécie.

 

 Os gerbils criados sozinhos costumam apresentar problemas comportamentais como agressividade e auto mutilação.

 

 Por serem considerados presas na natureza eles tem o instinto de fugir e se esconder e sempre estão em alerta.

 

 Ao viverem em duplas ou colônias esses bichinhos se organizam de forma que enquanto um dorme, brinca ou come, outro vigia e dá o aviso caso perceba algum perigo. Dessa forma enquanto um fica em estado de alerta o outro pode relaxar e até dormir tranquilo.

 

 

 

 Já gerbils que vivem sozinhos não tem um ou mais companheiros para vigiarem enquanto ele dorme ou faz outras atividades e com isso ele vive constantemente em alerta. O que faz com que esteja sempre estressado e esse estresse pode geram um comportamento agressivo ou muito assustado. O estresse também afeta o sistema imunológico do animal, podendo deixa-lo mais suceptivel a doenças e diminuindo sua qualidade e expectativa de vida.

 

 Escolha pelo menos dois gerbils do mesmo sexo. Assim um fará companhia para o outro sem o risco de reprodução acidental.

 

 E não se esqueça de escolher gerbils que já vivem juntos para evitar brigas.

Dra. Anna Carolina G. Neves 
Médica Veterinária
   CRMV 13614
 É PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DOS ARTIGOS E IMAGENS PRESENTES NESSE SITE  SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA DO AUTOR.